cps4

Experiência sustentável

A palavra sustentabilidade saiu do campo das discussões de especialistas e passou a fazer parte da conversa cotidiana, reforçando a necessidade de se fazer melhor uso dos recursos naturais, com o menor impacto possível ao meio ambiente.

Está cada vez mais claro que esses recursos são finitos e podem custar muito, caso não tomemos atitudes para a sua preservação. A crise hídrica e a crise energética colocaram as questões de sustentabilidade no centro dos debates e nos impõe discussões de como seremos capazes de satisfazer nossas necessidades sem comprometer o futuro das próximas gerações.

A natureza da ação humana caminha para o uso desmedido dos recursos naturais, afetando substancialmente a sua oferta. Expandimos as nossas cidades da maneira mais avassaladora possível, sem planejamento e sem qualquer análise de eventuais impactos que pudéssemos promover ao meio ambiente. Por isso, precisamos buscar soluções para reduzir nossas agressões a ele. Na área de construção de moradias, já temos importantes experiências. Foi ainda na década de 1980 que surgiram os primeiros empreendimentos sustentáveis, que passaram a receber certificações de green building.

Essas edificações trouxeram grandes aprendizados, que aos poucos podemos incorporar no nosso dia-a-dia. Elas têm inovações que garantem o melhor uso dos recursos naturais, oferecendo maior eficiência energética, além de melhorar a gestão e economia da água e dos resíduos. Esses edifícios também trazem propostas como vidros mais eficientes, torneiras economizadoras, vasos de duplo acionamento, luminárias LED (Light Emitting Diode), entre outras novidades.

Mas organizações que concedem esses selos não se preocupam apenas com o produto final. A edificação também precisa ser sustentável durante o processo construtivo, contribuindo para reverter os parâmetros ainda hoje existentes de resíduos. Para se ter uma ideia da necessidade de maior engajamento das construtoras, basta lembrar que o setor responde por até 70% dos resíduos sólidos gerados nas cidades, muitas vezes sobrecarregando a coleta, transporte e a disposição desses resíduos.

Já as chamadas construções sustentáveis são projetadas para economizar aproximadamente 30% de energia e de 30% a 50% o uso de água, além de reduzir os resíduos entre 70% a 80%. Uma boa parte da economia vem de pequenas mudanças e até o reuso da água. Essas são hoje necessidades em qualquer edificação, independente de carregar o selo “verde”.

Por isso, precisamos aproveitar a experiência com os green buildings para ampliar a aplicação de algumas de suas tecnologias para outros setores. Os custos dessas construções estão distantes da nossa realidade, mas incentivos e redução de impostos para alguns dos produtos podem ajudar a ampliar o seu uso, permitindo que mais pessoas ajudem a preservar o meio ambiente.

 

pladevall(*) Luiz Roberto Gravina Pladevall é presidente da Associação Paulista de Empresas de Consultoria e Serviços em Saneamento e Meio Ambiente (Apecs) e membro da Diretoria da ABES-SP.